segunda-feira, 28 de novembro de 2016

A ARTE TUMULAR DE ALFREDO OLIANI

      Em 1957, o então prefeito Caetano Munhoz, ex-combatente de 32, organizou uma grande festa para a comemoração do 55º aniversário do Movimento Constitucionalista. Entre inúmeras inaugurações, que apresentaremos nas próximas postagens, trago hoje a reforma feita em sua administração, do Mausoléu ao Soldado Constitucionalista, construído em 1933 pela Federação dos Voluntários de Itapira.  

9 de julho de 1957. Inauguração do busto, obra de Alfredo Oliani em Itapira

O prefeito Caetano Munhoz ao lado da obra em 1957
      Para este projeto, foi requisitado o trabalho do escultor paulista Alfredo Oliani, que decidiu retratar o busto de um soldado constitucionalista. A obra foi inaugurada em uma terça-feira, 9 de julho de 1957. Na ocasião, foram recolocadas no Mausoléu ao Soldado Constitucionalista, as urnas contendo os restos mortais de nove soldados paulistas, exumados das regiões do Gravi e Fazenda Amarela e originalmente enterradas em 1933.

Inauguração do busto ao Soldado Constitucionalista, de Alfredo Oliani. 1957
Inauguração do busto ao Soldado Constitucionalista, de Alfredo Oliani. 1957
Original em bronze, no Mausoléu ao Soldado Constitucionalista, no Cemitério Municipal da Saudade em Itapira. Inaugurado em 1957.

Cópia em gesso, pertence ao acervo do Museu Histórico e Pedagógico 'Com. Virgolino de Oliveira'. Obra autografada pelo escultor.


ALFREDO OLIANI, Biografia: 
      Alfredo Oliani, filho de italianos, nascido em São Paulo, em 1906, e aqui falecido em 1988, tinha como características de suas obras, várias das quais localizadas ali no Cemitério São Paulo, a sensualidade e a beleza femininas e o nu, como o conjunto do sepulcro dos Cantarella. Estudara aqui mesmo, na Academia de Belas-Artes de São Paulo, com Nicola Rollo, que também deixou nos cemitérios paulistanos obras emblemáticas, como Orfeu e Eurídice, no Cemitério da Consolação, a celebração da imortalidade do amor do casal mítico. Foi aluno, ainda, de Amadeu Zani, autor do Monumento á Fundação de São Paulo, no Pátio do Colégio, e do conjunto escultórico em memória de Giuseppe Verdi, no Vale do Anhangabaú. Na Itália, na Academia de Belas-Artes de Florença, estudou com Giuseppe Grazziosi, fotógrafo, pintor e escultor, que recebera influências de Rodin.
O escultor Alfredo Oliani
      Freqüentou a Escola de Belas-Artes de São Paulo e a Academia de Belas-Artes de Florença. Em São Paulo, estudou com Nicola Rollo e Amadeo Zani, e na Itália com Giuseppe Grazziosi, autor de um excelente trabalho que se encontra no Cemitério da Consolação.
      Participou das coletivas do Salão Paulista de Belas-Artes, obtendo medalha de ouro e grande medalha de ouro. Um dos mestres do nu executou magníficos trabalhos no Cemitério São Paulo: lindas mulheres, em bronze, em sensual postura e soberbos grupos escultóricos onde o nu é exuberantemente apresentado. Assinava A. OLIANI.

Nenhum comentário:

Postar um comentário