quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

HARLEY DAVIDSON NA REVOLUÇÃO

Fotografia raríssima! Uma de nossas preciosidades! Esta cópia raríssima de uma publicação do jornal "A Gazeta" de São Paulo, mostra uma patrulha do "Grupamento de Cavalaria" comandado pelo nosso Cel. Francisco Vieira. Esta fotografia, foi tirada em frente a estação de "Tanquinho" que se localiza no trecho da Mogiana entre Campinas e Jaguariúna. Em setembro de 1932, após a queda de Itapira, o Grupamento de Cavalaria Chico Vieira, seguiu para a frente de Campinas, onde as tropas paulistas vindas de Pedreira-Amparo e setores Norte e Sul uniram-se para a última grande resistência. Este grupo era formado por voluntários de Itapira e Mogi Mirim. Ficaram nesta frente até 2 de Outubro, quando do fim da Revolução.



*A fotografia original pertence aos arquivos do jornal A Gazeta, esperamos sinceramente que os negativos ou os originais ainda estejam preservados!

PALAVRAS DO PRESIDENTE

Durante a abertura da exposição "SP-1932, 80 ANOS DO MOVIMENTO CONSTITUCIONALISTA", o presidente do Núcleo M.M.D.C. de Itapira - "Cel. Francisco Vieira", o historiador Eric Apolinário, agradeceu imensamente todo o apoio que os pesquisadores do Núcleo receberam dos órgãos públicos envolvidos. Segue abaixo, o vídeo de seu discurso de abertura, juntamente com a transcrição do mesmo:

melhor visualizado em 480p.

Discurso do presidente do Núcleo M.M.D.C de Itapira - "Cel. Francisco Vieira"
   
Boa noite a todos! 
Muito obrigado pela presença!
Nesta noite de 25 de janeiro, quando a cidade de São Paulo completa seus 459 anos, e o belíssimo monumento do Gravi completa seus 79 anos de existência, damos início a esta exposição, intitulada: “SP-1932, 80 Anos do Movimento Constitucionalista”, que mostra a luta de nossos antepassados pela democracia e pela liberdade do Brasil.
Agradeço a Deus a oportunidade que nos foi data, de uma parceria inédita, uma parceria entre o Núcleo M.M.D.C de Itapira, Prefeitura Municipal de Itapira e Governo do Estado de São Paulo. Agradeço ao Museu da Imigração, pelo esplêndido suporte que tem nos dado desde as primeiras tentativas de trazer a exposição para nossa cidade, agradeço ao Sistema Estadual de Museus, à Secretaria da Casa Civil, à Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, e agradeço principalmente, à Prefeitura Municipal de Itapira e sua Secretaria de Cultura, que neste período, se empenhou energicamente nesta batalha, de trazer este evento a Itapira. Agradeço ao nosso estimado prefeito, nosso amigo, Paganini, que é uma das poucas pessoas que estiveram presentes em TODOS os eventos do Núcleo M.M.D.C. de Itapira. Tenho certeza de que, cada um dos senhores aqui presentes, sairá desta exposição feliz e orgulhoso por Itapira, terra de Eleutério e Gravi, ter recebido este presente, preparado para o povo, gratuitamente. Obrigado a todos que de uma maneira ou de outra, nos ajudaram com os preparativos desta exposição.
Convido a todos para que subam conosco e contemplem esta belíssima exposição, que pela primeira vez passa pela região de Campinas e interior paulista e peço, para que voltem mais vezes, com seus familiares e amigos!
Muito obrigado! 
Viva São Paulo! Viva Itapira!
Boa Noite!

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

|EM CARTAZ| SP-1932 (Itapira-SP)

Um sucesso! É como podemos denominar a abertura da exposição SP-1932, 80 Anos do Movimento Constitucionalista na cidade de Itapira-SP. A cerimônia aconteceu na sexta-feira, 25 de janeiro, na Casa da Cultura de Itapira. Estiveram presentes dezenas de pessoas, entre elas, autoridades como o Prefeito Municipal, José Natalino Paganini, do Secretário de Cultura e Turismo, Marcello D. Iamarino, Dado Boretti, vice-Prefeito, o comandante da Policia Militar de Itapira, Cap. Peixoto e o Presidente da Câmara Municipal, Carlinhos Sartori, vereadores, comerciantes, historiadores, entre outras autoridades civis e militares. A centenária Banda Lira Itapirense executou o Hino Nacional e a clássica Paris Belfort e a artista itapirense, Zuleica, declamou o lindo poema "Bandeira das Treze Listras", de Guilherme de Almeida..
Algumas autoridades presentes, discursaram durante a abertura e não economizaram elogios à iniciativa do Núcleo M.M.D.C. de Itapira - Cel. Francisco Vieira! O prefeito municipal, Paganini, muito elogiou o trabalho, empenho e a dedicação do Núcleo neste período de preparação para a exposição. Todos nos sentimos muito orgulhosos e honrados com todas estas demonstrações de respeito e reconhecimento pelo nosso trabalho de preservação da história e memória da Revolução Constitucionalista de 1932.
Segue abaixo alguns videos e fotografias do evento:

Paganini (Prefeito de Itapira) - SP-1932, Itapira-SP 


Eric Apolinário - SP-1932, Itapira-SP 


Cap. Luciano Peixoto - SP-1932, Itapira-SP 



























segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

SP-1932 | VENHA CONHECER!


























CONVIDAMOS A TODOS OS NOSSOS AMIGOS E LEITORES A VISITAR E PRESTIGIAR ESTA BELÍSSIMA EXPOSIÇÃO INTITULADA: "SP-1932 - 80 ANOS DO MOVIMENTO CONSTITUCIONALISTA", ORGANIZADA PELO NÚCLEO CEL. FRANCISCO VIEIRA EM PARCERIA INÉDITA COM O MUSEU DA IMIGRAÇÃO, A PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRA, O SISEM, A SECRETARIA DA CULTURA - SP E O GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. CONVIDAMOS A TODOS OS MEMBROS DA SOCIEDADE VETERANOS DE 1932, ASSIM COMO TODOS OS NOSSOS AMIGOS DOS NÚCLEOS DE CORRESPONDÊNCIA DE TODO O ESTADO DE SÃO PAULO A VISITAREM ITAPIRA, CONHECER NOSSA CIDADE, VISITAR A EXPOSIÇÃO, QUE ESTÁ SEDIADA NA ANTIGA CADEIA USADA PELOS EXÉRCITOS CONSTITUCIONALISTA E FEDERALISTA DURANTE A REVOLUÇÃO, E TAMBÉM CONHECER O A HISTÓRICA VILA DE ELEUTÉRIO, ONDE, 80 ANOS ATRÁS, MILHARES DE BRASILEIROS LUTARAM EM UM DOS MAIORES CAMPOS DE BATALHA DA HISTÓRIA BRASILEIRA.

CORREIO MILITAR - M.M.D.C. MOGI MIRIM

Entre diversas cartas que encontramos em nossas pesquisas, tanto em arquivos privados e públicos, encontramos referências claras sobre o dia-a-dia dos soldados e voluntários paulistas na frente de Eleutério. Um desses exemplos é o postal que trazemos hoje, enviado de Eleutério, no dia 25 de agosto de 1932. O mais interessante é que à partir do dia 26 de agosto, Eleutério sofreu enorme contra-ataque, com fuzilaria e bombardeio aéreo, o que levou à sua queda. O voluntário do 1º Batalhão Esportivo, Eduardo (sobrenome: Bemenedo? Beminido?), que através do "CORREIO MILITAR" do M.M.D.C. de Mogi Mirim, enviou este postal a um amigo em São Paulo, provavelmente não imaginava que nas próximas horas, logo depois do envio deste postal, viveria um dos maiores ataques do exército federalista de toda a Revolução e teria que, juntamente com todo o destacamento constitucionalista, recuar para a vila de Barão Ataliba Nogueira e depois para a cidade de Itapira. No texto, transcrito aqui para melhor entendimento de nossos leitores, o autor passa ao seu destinatário, certa tranquilidade e não revela nenhuma imagem de que a real situação da frente de Eleutério era por demais, complicada.

Além do texto, podemos notar o visto da censura e os carimbos do "CORREIO MILITAR" de Mogi Mirim, onde foi postado e também de São Paulo onde foi entregue.

FRENTE

VERSO

TRANSCRIÇÃO:

Sr. Pedro Lucio
R. Fortaleza Nº10 - São Paulo
Voluntário 567 Eduardo B. 1º Pelotão, 1ª Cia, 1º Batalhão Esportivo
"Eleutério, 25 de Agosto de 1932
Caríssimo amigo Pedro, 
Recebi a sua última carta de 14 do corrente, foi motivo de grande alegria para mim ter notícias suas e de demais alegria. Agradeço-lhe muito o ... que estas fazendo em zelar pelo Paulo.
Nós aqui estamos firme e cada vez mais dispostos para lucta. Quanto a nossa saúde, estamos muito bem e até agora nada nos sucedeu.
Agora queira aceitar um forte abraço amigo. Eduardo
N.B. Guarde bem este até minha volta com a victória de São Paulo."

Obs: Procuramos informações sobre este voluntário, ainda não encontramos nada relevante.

domingo, 20 de janeiro de 2013

FOTOS DE POUSO ALEGRE-MG

Em mais um lote de fotografias, apresentamos hoje algumas fotos de soldados paulistas no setor de Pouso Alegre-MG, na famosa frente do "Setor Leste" logo nas primeiras semanas da Revolução Constitucionalista de 1932:

Legião Negra: Partindo para o ataque, Cerrado-SP, 15.09.1932

Tropa Paulista em Pouso Alegre, 1932

Tropa Paulista em Pouso Alegre, 1932

Tropa Paulista em Pouso Alegre, 1932

Tropa Paulista em Pouso Alegre, 1932

Tropa Paulista em Pouso Alegre, 1932

Tropa Paulista em Pouso Alegre, 1932

Tropa Paulista em Pouso Alegre, 1932

Tropa Paulista em Pouso Alegre, 1932

Tropa Paulista em Pouso Alegre, 1932

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

JORNAL OFICIAL DE ITAPIRA



Exposição SP, 1932: 80 anos de Movimento Constitucionalista

O Núcleo Cel. Francisco Vieira – M.M.D.C. de Itapira em parceria inédita com o Museu da Imigração e o Sistema Estadual de Museus – SISEM e a Prefeitura Municipal de Itapira organiza a exposição: SP, 1932: 80 anos de Movimento Constitucionalista. A Casa da Cultura abrigará um acervo dinâmico e rico em informação que se somará aos acervos do Museu Histórico e Pedagógico Comendador Virgolino de Oliveira, do Núcleo M.M.D.C. de Itapira e de familiares de ex-combatentes Itapirenses.
É talvez a mais importante exposição já feita na cidade de Itapira. Nunca antes na história da cidade uma parceria tão significativa entre órgãos Culturais e Públicos foi feita nesse sentido. Além do mais, o fato da exposição ser na Casa da Cultura, aumenta ainda mais sua singularidade e importância, afinal no ano de 1932, o prédio ainda abrigava a Cadeia Municipal, e durante os combates na região de Itapira, o prédio foi usado tanto pelos paulistas, quanto pelo exército federalista”.
A exposição, que atualmente se encontra na cidade de Jacareí, chegará a Itapira entre os dias 15 e 16. Após sua montagem, a data de abertura será divulgada pelos órgãos responsáveis.


CLIQUE AQUI PARA VER A MATÉRIA COMPLETA DO JORNAL OFICIAL DE ITAPIRA.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

NAS TRINCHEIRAS OU NO LAR!

Durante a Revolução Constitucionalista, havia um grande empenho por parte da sociedade paulista, por enviar aos soldados nos "fronts" de batalha, alimentos, cigarros, jornais, agasalhos, enfim, todo e qualquer tipo de material útil para a sobrevivência na guerra. As grandes marcas de alimentos, também se empenharam e usaram da propaganda para disseminar o ideal constitucionalista por todos os cantos do Estado. Grande exemplo disso, o delicioso Leite Moça, da Nestlé, que durante o período da Revolução, publicou em vários jornais da capital paulista o seguinte anúncio:

“Vigor e resistência são os resultados de uma alimentação rica em vitaminas. O leite puro é conhecido como uma das mais preciosas matérias na alimentação em qualquer idade. No leite condensado Moça, todos os elementos nutritivos do leite fresco estão conservados vivos e intectos. V.S. deve ter sempre uma reserva de algumas latas de Leite Moça. É um alimento concentrado de alto valor nutritivo sempre pronto para usar. Dois pequenos furos na lata, um oposto ao outro, bastam para deixar escorrer a quantidade desejada. Depois tampam-se com dois pedacinhos de papel, enrolados. Dura, assim, muitos dias.  Leite Moça. Mande uma lata como dádiva aos soldados”.

Abaixo, dois diferentes exemplos da propaganda peculiar da Nestlé, que sempre terminava os anúncios com a frase: "Mande uma lata de Leite Moça como dadiva aos soldados!"

MODELO I

MODELO II

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

ÁUDIOS DA REVOLUÇÃO PARTE I

Apresentaremos de forma simples e direta, alguns áudios originais que sobreviveram às ações do tempo. Como foram encontrados na internet, não possuem "fontes". E devido a todo esse tempo, entendemos que já são de domínio público. Fiquem a vontade e divirtam-se:

Redenção - Hino das Forças Constitucionalistas M.M.D.C.

Paris-Belfort (Marcha de Farlgoul)

Passo do Soldado (M. Tupinambá & G. de Almeida)

Hino Acadêmico (C. Gomes & B. Sampaio)

Hino do Partido Constitucionalista (M. Tupinambá & Anhanguera)

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

A INCRÍVEL HISTÓRIA DO CASARÃO FRASSETO

Casarão da família Frasseto - provavelmente na década de 1920.

 Mesmo ângulo, dias atuais. Photo by Ricardo J. M. Ribeiro

O casarão da família Frasseto em Eleutério, cujo projeto foi concebido por Giuseppe Frasseto, finalizado no ano de 1914, foi usado pelo exército Constitucionalista com posto de controle, invadido durante o mês de setembro de 1932 por tropas federais, transformou-se em alojamento para os soldados, foi bombardeado, saqueado e praticamente destruído. Oitenta anos depois destes terríveis episódios, sobrevive  às marcas do tempo.

Cofre da família saqueado e explodido por uma granada.

Além de ser um prédio com mais de dez cômodos, o maior de Eleutério até então, tinha na sua parte inferior um armazém, administrado pela própria família Frasseto e, coisa de relevante importância para a época: tinha uma linha telefônica. Nos primeiros dias de confronto no setor de Pouso Alegre/Ouro Fino e depois Eleutério/Sapucaí, o casarão, cedido pela família, que fugiu para fazendas mais distantes do front, foi muito útil para as tropas e batalhões de voluntários paulistas que chegavam pela Mogiana da capital e cidades do interior. Como um "Posto de Controle", o casarão abrigada oficiais responsáveis por toda a logística da guerra e também, servia de alojamento.

Balcão do armazém , parte da frente, totalmente destruída, documentos e cadeiras jogados pelo chão, muita sujeira.
Prateleiras do armazém vazias e espaço destruído, com caixas jogadas pelo chão.
Interior da área residencial, mais uma vez, móveis destruídos, papéis pelo chão.

Com a queda de Eleutério entre os dias 24 e 26 de agosto, o prédio acabou sendo abandonado pelas forças paulistas, e rapidamente tomado por tropas federais. Neste período sombrio usaram todo o estoque do armazém para se alimentarem. Durante um bombardeio aéreo, uma bomba acabou atingindo a cozinha, destruindo completamente este cômodo. 

 Fotografia da copa/cozinha da residência, saqueada pelas tropas federais.


Após o final da Revolução a família voltou para o prédio, encontrando tudo destruído. Entraram então, com um processo contra o governo, devido a todas as perdas sofridas durante o conflito. Em nossas pesquisas, encontramos apenas parte do processo, segundo a família, o sr.Guglielmo Frasseto só foi indenizado após anos de luta judicial com o governo, porém a quantia foi apenas simbólica, não devolvendo absolutamente todas as perdas ocorridas naquela invasão.

Mais destruição no armazém, caixas de mercadorias destruídas pelo chão.
Quarto com a cômoda destruída, enxoval e pertences jogados pelo chão.
Cofre da família completamente arrombado.

Ação Judicial referente ao saque das Forças Federais.

AGRADECIMENTO ESPECIAL: A Paulo Mitestainer por nos ceder este lote maravilhoso de fotografias originais e inéditas do ocorrido com o casarão Frasseto durante a Revolução Constitucionalista de 1932!