sábado, 4 de fevereiro de 2012

#1CARTAS DA TRINCHEIRA

Saudações Caros Leitores!!!


   Neste sábado, apresento-lhes uma das dezenas de cartas encontradas em jornais de todo o Estado durante nosso trabalho de pesquisa. Neste primeiro caso, a carta foi escrita nas trincheiras de Eleutério, pelo repórter e diretor do jornal "A Notícia" de Rio Preto, publicada na edição de 23 de Agosto de 1932 pelo jornal  "Cidade de Itapira".
 Espero que gostem deste material praticamente inédito, pois a 80 anos não era apresentado ao grande público! É uma honra e uma satisfação poder agora, no ano em que comemoramos o Jubileu de Carvalho desta incrível Revolução, divulgar estes relatos memoráveis sobre aqueles tempos.
   Boa leitura!

(Imagem meramente ilustrativa)

"Trincheiras de Eleutério, 23 de Agosto de 1932.

   São 8h00 da manhã e escrevo na trincheira do tenente Bandeira, que comanda um pujilo de rapazes denodados e valorosos do 3º Batalhão 9 de Julho, onde passei a noite.
   É cedo, é verdade, mas já tenho o que dizer, pois, mal havíamos tomado o café no "apartamento" do Euclides de Mélo, mais conhecido pelo vulgo de "Zé Macaco", um pandengo de Lins, que procura viver com o maior conforto aqui na trincheirinha, os ditatoriais, que estão a dois passos de nós, receberam a visita de um avião constitucionalista; e eu, que desejo andar absolutamente em dia com as minhas obrigações de correspondente de guerra, quero apressar-me a relatar o modo "festivo" porque foi recebido.
   Eram, 7h30 da manhã, quando avistamos o aparelho, que logo reconhecemos ser dos nossos. Passou pelas trincheiras que ocupamos, e foi pairar, ali pertinho, sobre as posições inimigas.
   E a "recepção" começou. Primeiro, várias salvas de fusilaria com bolinhas "dun-dun"; depois as "costureirinhas", naturalmente de bico para o ar, deram início a um bombardeio tão intenso como inútil, pois o avião, longe de intimidar-se, deixou cair duas bombas, cujos formidáveis estrondos nos fizeram agachar, automaticamente: é que como não estávamos "prevenidos", pensamos que os "vizinhos" estavam novamente "acolhendo" o nosso aparelho até com salvas de canhão...
Depois da explosão das bombas, então é que o tiroteio redobrou de intensidade: como se todo o setor inimigo, que avistamos das nossas trincheiras, fosse uma só metralhadora de largas e colossais proporções.
E, por cima, o avião a gozar o seu "trabalho" que deve ter produzido, os mais desastrados efeitos no acampamento inimigo.
   Faz cinco minutos que o avião desapareceu da nossa bista, de regresso da sua missão, de que se desempenhou brilhantemente.
   Mas, como é bem de ver, os "vizinhos" ficaram desesperados com a "visita" inesperada e displicente do aeroplano; e então, dando largas à ira de que se viram possuídos, metralharam-nos com um notável desamor... Mas não adiantou; é que as nossas trincheiras são verdadeiras fortalezas; de mais, é só a "Nossa Senhora Aparecida" começar a "falar" para emudecer aquela gente. "Nossa Senhora Aparecida" é como foi batizada a metralhadora de que o Dr. Luiz Américo foi a dias o padrinho...

   P.S. Antes de fechar o envelope que deveria levar esta notas, tive ocasião de colher mais algumas informações sobre a "visita" do nosso avião, esta manhã, ás posições inimigas. Assim, fiquei sabendo ser ele pilotado pelo Tenente João Baumgartner, do Corpo de Aviação da nossa Força Pública, que tinha como observador o aspirante Hugo Borghi. O Tenente Baumgartner, cuja fotografia obtive, é o mesmo aviador que, no dia 11 de Julho último, voou, lançando exemplares do "Estado de São Paulo" e vários milhares de folhetos.
Ouvi, sobre o bombardeio desta manhã, o aludido piloto, que me afirmou que os estragos produzidos pelas suas bombas devem ter sido grandes, pois que um trem visado pelo seu observador foi quase totalmente destruído. E acha o Tenente Baumgartner que nesse trem se encontrava, diante do reboliço que notou, a intendência ou o depósito de munições dos ditatoriais em operações neste setor, que teve, assim, hoje, um amanhecer movimentado."

Leonardo Gomes
Enviado especial dos "Diários Associados" e diretor do "A Notícia", da cidade de Rio Preto.


PARTICIPE! COMENTE! DIVULGUE!

Eric Lucian Apolinário
Pesquisador - Presidente
(19) 98102-7351
Núcleo MMDC de Itapira "Cel. Francisco Vieira'



Nenhum comentário:

Postar um comentário