domingo, 26 de fevereiro de 2012

EXPEDIÇÃO - 25/02/2012


Sábado, 25 de Fevereiro de 2012.

   Às 6h30 da manhã partiu a Expedição composta por: Eric Lucian Apolinário, João Paulo Marquezini Machado, Carlos Henrique Marquezini Machado e Wener Mello. Com o objetivo de encontrar as  trincheiras perdidas itapirenses usadas durante a Revolução Constitucionalista de 1932.


   Por motivos de preservação das mesmas e manutenção da privacidade de terras particulares onde tais trincheiras se encontram o Núcleo MMDC de Itapira manterá em total sigilo suas exatas localizações. Porém mostraremos o máximo possível para que todos tenham ciência que a Historia ainda vive e em muitos lugares continua muito bem preservada.
   A expedição partiu com informações de que havia trincheiras em duas áreas e que elas poderiam estar ainda intactas. Infelizmente em um destes locais não encontramos vestígios da existência de trincheiras, mas continuaremos a procurá-las na região indicada. Na outra localidade foi encontrada uma trincheira, que chamaremos de trincheira 001.
   A trincheira 001 se localiza muito próxima a uma estrada, tem cerca de 7 metros de comprimento, 1,5 metros de largura e 1,8 metros de profundidade. Escondida pela mata nativa que cresceu ao longo destes 80 anos, se mantém muito preservada. Algo que nos ajuda e ao mesmo tempo atrapalha é o fato de uma árvore ter caído sobre a trincheira 001. Nos ajuda por conta do tronco de tal árvore caída fecha boa parte da trincheira o que mantém sua preservação, atrapalha, pois dificulta uma exploração mais profunda e pesquisa da engenharia usada durante a Revolução em tal trincheira. Suspeitamos, pela sua localização, que se tratava de uma “guarita” para que os soldados paulistas efetuassem a guarda a estrada e que provavelmente deve haver outras trincheiras, maiores e mais complexas nas proximidades, que davam suporte para esta.


   A mata fechada, onde a trincheira 001 se encontra dificulta muito uma boa fotografia da trincheira. Por isso, preparamos uma fotografia com linhas para auxiliar na compreensão, o que é a trincheira esta (em linha amarela) e o tronco de árvore que a guarda (em linha vermelha).


    No caminho paramos em alguns lugares e entramos na mata a procura de trincheiras desconhecidas.


   A expedição fez uma breve parada em um túmulo na Fazenda Malheiros. Segundo informações, ali foram enterrados quatro combatentes mortos em um conflito nas proximidades daquela fazenda durante a Revolução, mas que logo após seus corpos foram exumados e levados por familiares. Dizem ainda que até há tempos atrás ainda se lia os nomes dos combatentes que foram sepultados ali, hoje nenhuma referência é encontrada no túmulo.


   A caminho de Eleutério, numa parada para coletar mais informações dos locais, encontramos com um proprietário. Nos contou  que a casa principal fora construída com barro retirado de lagos existentes até hoje.
   De lá, subimos a uma trincheira na propriedade de sua família. Após uma longa caminhada pela propriedade chegamos ao pé de um enorme morro, segundo a família, trincheira se encontra no topo daquele morro. A caminhada foi longa, a subida até o local é sofrida,  muitas pedras pelo caminho, o ângulo de subida é muito íngreme, faz-nos pensar em toda a dificuldade dos combatentes que ali se entrincheiraram, para conseguir água do rio logo abaixo, conseguir comida, montar acampamento, etc. Mas ao chegar ao topo tudo valeu a pena. Em 1932, em seus arredores existia uma plantação de café, hoje, a Trincheira 002 está rodeada por um pasto. O que nos da facilidade de a encontrar e ter uma noção maior de como ela poderia ter sido durante a Revolução, porém esta sujeita diretamente à ação do tempo e ao pisoteio do gado. A vista é fantástica.



   Conversamos bastante com os proprietários, aproveitamos para falar as crianças e dar uma pequena explicação sobre o Movimento Constitucionalista de 1932, mostrar a realidade dos jovens daquela época, falar sobre a ditadura que governava nosso país e o que aquele local representava para a história de São Paulo e do Brasil. Aproveitando a estadia naquele sítio arqueológico, o pesquisador Eric, entrou em um pequeno espaço na trincheira e começou a cavar, em poucos instantes, encontrou uma cápsula de fuzil deflagrada em perfeito estado de conservação.


   Antes de irmos para nossa próxima parada do dia, a caseira da fazenda, nos contou que há uns dois anos, durante uma reforma da estrada, seus filhos acharam, algumas peças: 4 cápsulas e uma lata que não conseguimos identificar,até então, do que era.


   Seguimos então para Sapucaí, já no Estado de Minas Gerais, fizemos uma parada rápida na igreja local, cujo, segundo relatos de moradores, a torre teve de ser reconstruída após os combates na região, devido à destruição causada pelos tiros e bombas. Logo à frente, encontra-se uma ponte férrea destruída, usada pelas tropas durante a Revolução para transporte de tropas e armas.


   A última parada desta Expedição foi na trincheira 003. Com a ajuda do Sr. Joel, caseiro de uma propriedade exatamente na divisa entre Sapucaí e Eleutério, chegamos aos irmãos Wilson A. O. e Laércio A. O., que nos mostraram sua belíssima relíquia a poucos passos da casa da fazenda. Essa foi a maior trincheira que encontramos até agora, foi muito bem construída, e conservada a tal ponto que há a possibilidade de caminharmos dentro dela, e observar suas sub-divisões, pontos principais e em circunstancias gerais esta muito bem conservada. Esta experiência terminou com uma animada discussão sobre o ponto da Trincheira 003. Mello relatou que, nas trincheiras havia bolsões que serviam para armazenar suprimentos, entre armas, munições e mantimentos, etc. Porém naquele local em especifico, Eric pensa que tal bolsão pode ser na realidade uma cratera decorrente de uma explosão de bomba, de um  dos muitos ataques aéreos que aquela região de Eleutério sofreu.


   Terminamos esta expedição na bela vila de Eleutério, onde é presente por todo o tempo a sensação de que o tempo não passou, tomando um bom guaraná estupidamente gelado na venda do Sr. Genésio João Bortoloto, em meio a conservas de pimentas e gaiolas artesanais, Sr. Genésio nos contou historias que circulam por Eleutério sobre 1932, combatentes e civis que se escondiam em porões e sótãos da invasão federalista, de casas e comércios que foram saqueados na ocasião. E terminados ouvindo sua história sobre sua empreitada pelo Exercito Brasileiro em 1964, ocasião que era cabo, e que levou, com a patente de sargento, um agrupamento para Brasília exigir a deposição do então presidente Jango.




Resultado expedição:
Percorremos 69 km, de carro. E mais alguns quilômetros a pé.
Trabalhamos por 7 horas.
Conhecemos pessoas que nos ajudaram muito. Este Núcleo conta com o apoio de vocês para nos ajudar a manter viva a História de nossa cidade e preservar essas e outras trincheiras ainda existentes. Locais sagrados para o Estado de São Paulo.
Foram catalogadas duas trincheiras que não tínhamos conhecimento. E visitadas três no total, sendo que a trincheira 003 se trata de uma verdadeira fortaleza no alto de um morro.
E um ótimo dia entre amigos, com muita diversão e entusiasmo, fazendo o que gostamos: pesquisar e explorar, no sentido mais amplo de seus significados.

Por São Paulo! Pelo Brasil!

Escrito por
João Paulo Marquezini Machado
Secretario - Núcleo MMDC Itapira

Revisado Editado por
Eric Lucian Apolinário
Pesquisador - Presidente
(19) 8102-7351
Núcleo Cel. Francisco Vieira
Sociedade Veteranos de 1932
http://www.itapira.sociedademmdc.com.br/


segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

CERIMÔNIA EM ITAPIRA

Domingo, 12 de Fevereiro de 2012

   A Câmara Municipal de Itapira, foi palco nesta manhã de Domingo, 12 de Fevereiro, da primeira Cerimônia de Condecoração de Civis e Militares, organizada pelo Núcleo MMDC de Itapira "Cel. Francisco Vieira".
   Estiveram presentes, cerca 70 pessoas, entre elas o Presidente da Sociedade Veteranos de 32-MMDC da cidade de São Paulo, Cel. Mário Ventura; o Presidente do Núcleo de Correspondência "Paulistas de Itapetininga! Às Armas! Ten. Jefferson Biajone; o Diretor do Cerimonial da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, Markus Runk;  Diretora de Comunicação da Sociedade Veteranos de 32-MMDC, Camila Giudice; Toda a Diretoria Núcleo MMDC de Itapira "Cel. Francisco Vieira", o Vice-Prefeito de Itapira, Antônio Carlos Martins; representando a Câmara Municipal, estava o vereador Luis Henrique Ferrarini; O Presidente da Associação Comercial de Itapira, José Natalino Paganini; o Comandante da Companhia de Polícia de Itapira,  Ten. P.M. Marcos Sanches de Toledo; o historiador Arlindo Bellini; Luiz Antônio da Fonseca (Toy Fonseca); Sebastião Manoel; e demais familiares, diplomados e entusiastas.
   Esta solene cerimônia, que durou cerca de 1h30, faz parte de uma agenda estadual de eventos em comemoração aos 80 Anos da Revolução Constitucionalista. Nela, foram entregues os três diferentes títulos de diploma do Núcleo MMDC de Itapira:

DIPLOMA DE HONRA AO MÉRITO "CEL. FRANCISCO VIEIRA"
(Destinado a ex-combatentes, familiares de ex-combatentes, pesquisadores, pessoas que fizeram algo relevante em prol a Memória e a História da Revolução Constitucionalista).
Receberam este Diploma nesta ocasião:
Caetano Munhoz (In memoriam), representado pelo seu filho Bebeto Munhoz.
Plínio Magalhães da Cunha - Não compareceu.
Jefferson Biajone - Núcleo MMDC Itapetininga.

DIPLOMA DE HONRA AO MÉRICO "IRMÃOS FONSECA"
(Este Diploma de Honra ao Mérito será entregue a pessoas que se destacarem no campo das Artes, Cultura, Esportes, Jornalismo, Propaganda e Entretenimento).
Receberam este Diploma nesta ocasião:
Rosana Bronzatto (Mogi Mirim)
Paulino Santiago (In memoriiam) - Será entregue a seu filho, André Santiago

DIPLOMA DE HONRA AO MÉRITO "TRINCHEIRAS DE ELEUTÉRIO"
(Destinado quase que exclusivamente aos Militares, Policiais Militares e Policiais Civis ou qualquer outra pessoa que se destacar em um grande feito, como por exemplo, salvando vidas, protegendo a população, ou em uma grande ação policial).
Receberam este Diploma nesta ocasião:
3º Sgt PM Rogério BRANDÃO da Silva - Força Tática da 3ª Cia PM;
Cb PM EMERSON Gomes Silva - Força Tática da 3ª Cia PM;
Sd PM VALMIR Moraes dos Santos - ROCAM da 3ª Cia PM;
Sd PM Mateus Luciano Sieve - Força Tática da 3º Cia PM;
Sd PM Dênis ROBERTO Custódio da Silva - ROCAM da 3ª Cia PM;
Sd PM Everton MACEDO Rego - ROCAM da 3ª Cia PM;
Sd PM Andre Palomo PASCHOALIN - Força Tática da 3ª Cia PM;
Sd PM PAULO Fernandes da Graça Junior - ROCAM da 3ª Cia PM; e
Sd PM Carlos Roberto da COSTA - CAD da 3ª Cia PM.

   Em nome de toda a diretoria do Núcleo MMDC de Itapira - "Cel. Francisco Vieira", quero agradecer a todos que compareceram a esta belíssima cerimônia! Apenas a primeira de várias que se realizarão durante todo este ano de 2012! Deixo aqui o meu muito obrigado principalmente ao companheiro  Presidente da Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo Deputado Barros Munhoz, pelo apoio. Agradeço também à empresa Imbil, pelo patrocínio! Agradeço ao Presidente da Câmara Municipal de Itapira, Manoel Marques, por autorizar que a cerimônia fosse realizada nesta casa de leis. Muito obrigado à imprensa Itapirense que esteve presente cobrindo todo o evento.
   Certo de que, cada vez mais o NÚCLEO MMDC DE ITAPIRA - "Cel. Francisco Vieira", se consolida como uma entidade responsável e respeitável, peço mais uma vez, a todos as pessoas que saibam que tem parentes que lutaram na Revolução Constitucionalista de 1932, entrem em contato conosco! Nossa meta é resgatar, preservar e divulgar a história desses Heróis Paulistas! Destes Heróis Itapirenses! Que fizeram a história do Estado de São Paulo, do Brasil, no sagrado solo Itapirense.
   Seguem abaixo, as fotografias deste maravilhoso cerimonial, e também, da visita que nós fizemos, após o evento, ao Morro do Gravi, juntamente com o Cel. Ventura, Markus e Camila! Também abaixo, o discurso feito por mim, na abertura oficial da Cerimônia, e declarando oficialmente abertos os trabalhos do NÚCLEO MMDC DE ITAPIRA - "Cel. Francisco Vieira"!






































DISCURSO OFICIAL DE ABERTURA DOS TRABALHO DO NÚCLEO MMDC DE ITAPIRA "CEL. FRANCISCO VIEIRA" FEITO PELO PRESIDENTE ERIC LUCIAN APOLINÁRIO

   "Bom dia a todos!
   Quero desejar um bom dia e agradecer a presença, em especial:
   Senhor Presidente da Sociedade Veteranos de 32 – Cel. Mário Ventura
   Senhor Vice-Prefeito de Itapira, Antônio Carlos Martins
   Senhor Comandante da Companhia de Policia Militar de Itapira, Tenente Antônio Marcos Sanches
   Demais autoridades, familiares dos combatentes de Itapira e dos que aqui lutaram; e todos aqui presentes.
   Hoje é um grande dia para a história de Itapira! Um grande dia, para o Estado de São Paulo! Comemoramos, em 2012, os 80 Anos do Movimento Constitucionalista, que culminou na revolta armada, particularmente presenciada por nossos antepassados, nesta cidade de Itapira. Muitos de nós aqui presentes, não vimos este incrível momento democrático vivenciado por aquela geração, mas certamente, crescemos ouvindo suas histórias. 
   Neste domingo, viemos até esta casa, onde as leis são formuladas, para oficializar, o Núcleo MMDC de Itapira, batizado honrosamente, com o nome do bravo Coronel Francisco Vieira! Figura das mais importantes neste Setor Leste, reconhecido por todo o Estado de São Paulo como fiel comandante dos jovens voluntários entrincheirados nas montanhas de Eleutério. Cujo dever e responsabilidade de defender até a última bala as fronteiras paulistas, somados ao amor pelo solo Itapirense, nunca o deixaram desistir.
   Nosso papel enquanto Núcleo é primeiramente, ser correspondente direto, erepresentante da Sociedade Veteranos de 1932 na cidade de Itapira. Para que, possamos transmitir os acontecimentos e as informações do que se passa na sede da Sociedade, na cidade de São Paulo. É nosso dever como Núcleo MMDC de Itapira, com o trabalho de nossos membros, pesquisadores e diretoria, trabalhar juntos para a preservação da memória dos bravos veteranos desta cidade, e da cidade vizinha de Mogi Mirim que lutaram e até mesmo deram sua juventude em prol à Causa Constitucionalista. E divulgar essa história escondida, e porque não, esquecida, nos já conhecidos obscuros porões da memória brasileira.
   Para isso, estamos aqui presentes, para honrar e defender aquela geração de jovens e velhos, homens e mulheres que se uniram, pela democracia e pela liberdade, contra uma ditadura cruel e opressiva. Estamos aqui, para trazer, de volta à luz a história de vida daqueles que homens e mulheres, heróis paulistas, que juntos, escreveram um capítulo dos mais importantes para o Estado de São Paulo e para o nosso Brasil!
   Com o avanço da tecnologia, com as facilidades de comunicação hoje existentes no mundo, podemos transmitir todo o nosso conhecimento através da internet, resgatando a memória de famílias que muitas vezes nem sabiam direito o porquê seus pais e avós lutaram em tão envolvente guerra. Podemos também, juntar peça por peça deste grande quebra-cabeça que se criou nestes 80 anos, e trazer de volta a verdadeira história destes heróis, até então, esquecidos pela grande maioria de nós.
   Como Presidente / Fundador, tenho o orgulho e declarar abertos, os trabalhos do Núcleo MMDC de Itapira – Coronel Francisco Vieira! E prometemos lutar pelo resgate e preservação da memória de todos estes homens e mulheres, Itapirenses, Mogimirianos, para que eles sejam imortalizados em nossa História Oficial! Para isso, contamos com o apoio de todos vocês, para que juntos, possamos devolver ao conhecimento de todos, nesta incansável luta, a história da Revolução Constitucionalista de 1932.

Eric Lucian Apolinário
Pesquisador - Presidente
(19) 8102-7351
Núcleo Cel. Francisco Vieira
Sociedade Veteranos de 1932
http://www.itapira.sociedademmdc.com.br/