segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

FRIEDENREICH NAS TRINCHEIRAS DE ELEUTÉRIO


   "... Os voluntários que não seguiam para as linhas de combate, diuturnamente guardavam os pontos estratégicos da cidade: Estrada de Lindóia, saída para Mogi Mirim, Rua do Amparo e ponte do Matadouro. Neste, estavam as sentinelas, Octávio Monezzi e João Torrecillas Filho. A pressão exercida pelos federalistas asfixiava os defensores de Itapira, cuja queda era esperada a qualquer momento. Eleutério já havia capitulado e as Fazendas Amarela e Malheiros, suportavam pesados bombardeios ininterruptos. A Av. Rio Branco estava deserta. Só eles, guardiões da ponte, um pouco atemorizados com o quadro sinistro da avançada e o pipocar das metralhadoras. Nisso, escutaram o ronco do escapamento aberto de um veículo que vinha avançando rumo ao Matadouro, caminhão inimigo, certamente! Os guardiões engatilharam seus fuzis, apontaram e o João bradou, com vozeirão imperativo: 
   __ Quem vem lá? Alto! Senão atiramos!
   O caminhão deu brecada súbita, uma cabeça bronzeada apareceu na janelinha da cabine, foi reconhecido o famoso jogador de futebol, já dado como soldado constitucionalista morto: Freindereich! Quanta emoção! Um bálsamo sobre os nervos em frangalhos dos dois guardiões da cidade..."
DEPOIMENTO: João Torrecillas Filho

   A presença do grande jogador Arthur Friedenreich entusiasmava os voluntários entrincheirados em Eleutério. O Batalhão Esportivo, responsável por grandes vitórias na guerra, com participação efusiva de seus esportistas que viraram soldados durante a Revolução Constitucionalista de 1932. Dentre tantos grandes esportistas, Friedenreich, ou apenas "El Tigre", como ficou conhecido e cuja lenda popular diz ter  marcado mais gols que Pelé, enfrentou com garra e coragem os exércitos federalistas na divisa dos estados de São Paulo e Minas Gerais. Em Itapira, destacou-se como grande entusiasta da causa paulista e comandante "não-oficial" do Batalhão Esportivo, que recebeu seu batismo de fogo nas montanhas de Eleutério.


   A presença do grande jogador Arthur Friedenreich entusiasmava os voluntários entrincheirados em Eleutério. O Batalhão Esportivo, responsável por grandes vitórias na guerra, com participação efusiva de seus esportistas que viraram soldados durante a Revolução Constitucionalista de 1932. Dentre tantos grandes esportistas, Friedenreich, ou apenas "El Tigre", como ficou conhecido e cuja lenda popular diz ter marcado mais gols que Pelé, enfrentou com garra e coragem os exércitos federalistas na divisa dos estados de São Paulo e Minas Gerais. Em Eleutério, destacou-se como grande entusiasta da causa paulista e comandante "não-oficial" do Batalhão Esportivo, que recebeu seu batismo de fogo nas montanhas de Eleutério. Entre tantos esportistas profissionais e amadores que se voluntariaram a lutar na divisa do estado pela causa paulista. Friedenreich destacava-se pela popularidade, mas fazia-se igual a todos nas trincheiras paulistas.

   Comentava-se muito sobre a presença deste grande jogador em Eleutério, chegou até mesmo a se cogitar sua morte. Um boato correu por todo o estado, ocupando até mesmo lugar de destaque nas primeiras páginas dos grandes jornais paulistas.
   Friedenreich chegou a ser promovido a Tenente por seus atos de bravura:
   
   “Mogi-Mirim – Major Antônio Bayma.
   Tenho sartisfação em comunicarvos que foi promoviso a 2º Tenente o Sargento Arthur Friedenreich, pela sua ação brilhante nos últimos combates em Eleutério, onde com muita dificuldade pode distinguir-se entre seus companheiros do 1º Batalhão Esportivo, pois todos se batem como verdadeiros guerreiros.
   No mesmo Batalhão há outros esportistas que também foram promovidos ou graduados. O entusiasmo continua o mesmo. São Paulo deve orgulhar-se de ter este punhado de valentes.
   A promoção foi feita pelo comandante do setor, tenente-coronel João Dias de Campos, por proposta minha, que julgo ser bem merecida.
   Todos rapazes do Batalhão Esportivo estão bons. Queira dizer aos do 2º Batalhão Esportivo que imitem os do 1º, pois a Força Pública, já invencível a muito tempo, não quer mais do que isto, para elevar este belo torrão do grande e amado Brasil!”.

(Batalhão Esportivo - A Cigarra)
   
   A campanha do Batalhão Esportivo foi crucial para a resistência do exército paulista do leste. Com a apoio de outros Batalhões, esses bravos soldados paulistas fizeram história nas montanhas de Eleutério, no inverno de 1932.


   Arthur Friedenreich, após a Revolução, voltou ao futebol, passando por vários times paulistas. Faleceu em  São Paulo, no dia 6 de setembro de 1969, aos 77 anos.

(Mais informações sobre a presença de Arthur Friedenreich em Eleutério e no Setor Leste, incluido capas raríssimas de jornais e periódicos anunciando sua morte, além de noticiarem a luta do Batalhão Esportivo, e outros, estão presentes na pesquisa intitulada "Nas Montanhas de Eleutério", que aguarda apoio para lançamento em forma de livro.)


PARTICIPE! COMENTE! DIVULGUE!

Eric Lucian Apolinário
Pesquisador - Presidente
(19) 98102-7351
Núcleo MMDC de Itapira "Cel. Francisco Vieira'



2 comentários:

  1. Olá! Boa noite! Meu nome é Ana e meu avô lutou na Revolução de 32 por Mogi Mirim. Não temos conhecimento de um João Dias de Campos, mas meu avô chamava-se José Dias de Campos. Seria ele que foi citado nesse post? Temos várias fotos e diplomas da Revolução, caso tenham interesse, posso digitalizar e enviar por email. Obrigada! Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Olá Ana!
    Com certeza há interesse sim!!!
    Gostaria muito de obter maiores informações sobre seu avô... Você possui fotografias dele como soldado? Sabe onde ele lutou? Se foi em Mogi ou em Eleutério... Se você puder digitalizar tudo e nos enviar, ficarei muito agradecido! Toda informação é bem vinda! Tenha certeza de que todo o seu material será catalogado e registrado em nossas atas.
    Meu e-mail pessoal é eric.apolinario@yahoo.com.br, de você puder enviar para lá, poderemos prosseguir com nossa investigação!
    Muito Obrigado pelo contato e pelo interesse!
    Aguardo contato!

    Abraços!

    ResponderExcluir